Blog da ABUB

Assessoria em contexto transcultural e o exercício da fé

Por Nivea Damaceno*

“Então o Senhor disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei.” (Gênesis 12:1, NVI)

Eu havia orado perguntando a Deus o que ele queria de mim, e ele respondeu: me chamou para uma missão transcultural com a Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos (IFES, na sigla em inglês) América Latina, mais especificamente na ABUA (Asociación Bíblica Universitaria Argentina), em Buenos Aires por dez meses.

Eu nunca havia pensado na possibilidade de ir para uma missão de curto prazo lá, sem conhecer ninguém do país. Além do mais, Buenos Aires é uma cidade grande. Para quem é de São Paulo, como sou, sabe os desafios de criar vínculos em um contexto metropolitano. Ou seja, seria um desafio enorme conseguir contatos e adaptar-me à cidade, somado ao fato de ter de levantar o próprio sustento, como fazem os obreiros aqui no Brasil, em pouco tempo: quatro meses!

O convite para participar dessa experiência foi enviado para todos os países da América Latina. No entanto, só o Brasil e o México conseguiram enviar uma voluntária cada.

Momentos de aprendizado e formação

Durante a experiência pudemos desenvolver muitas habilidades com a capacitação missionária. Recebíamos acompanhamento semanal do nosso coordenador, Pedro Blowes e sua esposa, Teresa. Também tínhamos uma mentoria a cada quinze dias com senhoras mais experientes que passaram pela ABUA no passado. Tive o privilégio de ser acompanhada e cuidada pela Silvia Chaves, ex-secretária geral da Argentina. Também participei de uma igreja metodista que era uma família, nunca me adaptei tão rápido a uma comunidade como me adaptei lá. Foram dez meses de formação ministerial intensiva.

Uma nova forma de fazer missão estudantil

Na região de São Paulo e Mato Grosso do Sul (SP/MS) temos o costume de fazer a oficina “Como começar um grupo”: tudo começa com um estudante cristão interessado em compartilhar o evangelho que busca outro estudante cristão, ambos conhecem os questionamentos dos seus companheiros de universidade, sabem o que é relevante, e assim começam a divulgação do grupo. Além disso, na realidade daqui os assessores auxiliares não costumam acompanhar uma faculdade em específico. Buenos Aires seria, para mim, uma missão para desconstruir minha ideia sobre os pré-requisitos para começar um grupo universitário. Eu era uma profissional dentro da universidade, e nunca havia começado grupo antes como estudante, nem sabia como servir não sendo aluna e sem conhecer a realidade das faculdades onde estaria.

Em Buenos Aires, apesar de ser uma metrópole com muitos estudantes, não havia muitos grupos na cidade, e o projeto com a IFES era para começar grupos em algumas faculdades da UBA (Universidade de Buenos Aires). Na UBA, cada faculdade é um mundo, cada uma fica em um ponto da cidade, e como não tem vestibular, o número de alunos é ilimitado. Por exemplo, a faculdade de direito tem em torno de 30 mil estudantes, e a faculdade de Ciências Sociais 23 mil aproximadamente.

Meu desafio seria começar grupos de estudo bíblico nessas duas faculdades. Coloquei tudo em oração, confiando que Deus tinha me enviado para aquele contexto e ele me ajudaria. Primeiro Deus respondeu com uma estudante de direito, que ia na mesma igreja que eu. Ela levou alguns companheiros não cristãos e assim começamos um grupo no final do primeiro semestre. Só depois das férias foi que começamos a divulgação, e Deus foi enviando mais estudantes, alguns não tão constantes, mas mesmo assim ele me mostrava que estava liderando a missão, e considero que nenhum trabalho foi em vão.

Já a faculdade de Ciências Sociais não tem uma boa reputação entre os cristãos, e escutei muitos comentários desanimadores. Faltava três meses para as férias de final de ano, e logo depois eu voltaria para o Brasil. Para ser sincera, não tínhamos tanta certeza de que daria certo uma iniciativa com pouco tempo em uma faculdade assim. Mas como é Deus que tem controle de tudo... Conheci uma estudante super animada que me ajudou na divulgação. O engraçado é que logo depois da divulgação ela já não pode participar, no entanto outros estudantes cristãos da faculdade começaram a entrar em contato, surpreendidos pela iniciativa de compartilhar sobre Jesus onde estudavam. Coloquei todo meu ânimo nos estudos bíblicos, e com os estudantes mais constantes comecei um intensivo para capacitá-los a dar estudo também.

Antes de voltar ao Brasil, capacitei com o melhor que podia os estudantes com quem convivi, ficou uma líder em cada faculdade, mas mesmo assim me preocupava muito a continuidade dos grupos depois que eu não estivesse. Admiravelmente, entre os dois grupos, o que mais se desenvolveu foi o último. Deus enviou mais estudantes para a Sociais, e a cada notícia que recebo de lá me surpreendo ainda mais com o poder dele, sua fidelidade ao levantar uma líder sensível às necessidades de sua faculdade, humilde e disposta a proclamar a Palavra de Deus onde as notícias iniciais não eram boas.

Quem realmente faz missão antes de nós e através de nós

Deus me mostrou algo muito interessante sobre semear, que foi o que de fato fui fazer em Buenos Aires. As minhas preocupações não tinham fundamentos, a missão tinha sido ele que começou, antes mesmo que eu chegasse a Buenos Aires, preparando os solos. Enquanto eu lançava as sementes, ele dava as condições ideais para que ela germinasse. E seria Deus quem daria o crescimento, no tempo dele, e com o cuidado dele. Tenho total convicção de que ir para a Argentina estava nos planos de Deus desde o início, e que ele tem o controle da missão sempre.

*Nivea participou da ABU Presidente Prudente (SP) e atuou como assessora auxiliar em São Paulo (SP) antes de ir para a Argentina em 2017.

Nenhum Comentário

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
O teste abaixo serve para verificar se você é um ser humano e para prevenir submissões automáticas de spam.