Intercessor

Ore pelo novo Estatuto da nossa missão

"O Deus de Israel falou,
a Rocha de Israel me disse:
‘Quem governa o povo com justiça,
quem o governa com o temor de Deus,
é como a luz da manhã ao nascer do sol,
numa manhã sem nuvens.
É como a claridade depois da chuva,
que faz crescer as plantas da terra’."
(2 Samuel 23:3-4; NVI)

Os primeiros raios de sol da manhã revelam o céu limpo, trazendo cores vivas que iluminam com beleza tudo o que há pouco estava em trevas. Depois de um temporal que escurece o dia, o sol traz claridade e acorda a terra para o crescimento de suas plantas que, agora, podem dar frutos.

É com estas imagens que o rei Davi compara o bom governo em suas últimas palavras registradas no livro de 2 Samuel, reverberando a voz do próprio Deus. Como uma herança para suas gerações futuras, os herdeiros do reinado de Israel, ele exaltou as consequências que um comando justo e temente a Deus pode ter para seu povo: clareza, crescimento e frutos. Mas, consciente de que o bom governo depende da fidelidade ao único Deus, ele também alerta em 2 Samuel 23:6 que, havendo perversos, eles serão lançados fora.

Entenda a revisão do Estatuto

Na Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB) temos levado o tema da boa governança a sério. Apesar de ter iniciado em 1957, a ABUB foi oficialmente registrada em cartório nos anos 60, apresentando o seu primeiro Estatuto. Este é o documento que estabelece a existência legal de uma pessoa jurídica, sua composição é determinada pelo Código Civil brasileiro. Precisamos do Estatuto, dentre outros documentos, para nos apresentar formalmente diante do governo e instituições públicas e privadas, como bancos.

Para organizar nossa missão, foram realizadas alterações significativas no Estatuto em 1975, moldando nosso formato de governança atual (leia mais sobre essa história aqui). Depois, o Código Civil mudou em 2002 e, por isso, em 2008 fizemos mais alterações.

Agora, precisamos realizar outras atualizações. O propósito de revisar o Estatuto neste momento é que ele responda às leis do nosso país, e que possamos observar nossa própria governança, atualizando como os órgãos são instituídos e como se relacionam. Em resumo, queremos cuidar melhor da nossa missão em sua parte organizacional.

Em 2017 contamos com a Consultoria Percepção (com experiência e histórico na atuação para associações e organizações religiosas) para elaborar uma proposta de revisão do documento. Até 12 de março de 2018, está ocorrendo uma consulta sobre ele a todos os grupos locais, diretorias nacional e regionais. A partir das respostas, o Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Reforma do Estatuto, criado no Conselho Diretor de janeiro de 2018, trabalhará no documento apresentado pela Percepção para buscar um consenso e apresentar na Assembleia Geral durante o Congresso Nacional, em junho de 2018, o novo Estatuto para ser votado.

Dentre os pontos que estão sob consulta, está, por exemplo, uma possível mudança de cargos da Diretoria Nacional para que nossa organização possa ter mais segurança, o que demandará também mais pessoas envolvidas e dispostas a servir à missão.

Como movimento, a ABUB é uma organização na qual a governança também é feita pelos próprios estudantes e profissionais envolvidos. Por isso, uma das vantagens deste processo de atualização e consulta é que os abeuenses conhecerão o documento que nos estabelece como organização, podendo compreender melhor como a ABUB funciona, quais são os órgãos deliberativos, como as decisões são tomadas, quais são os papéis etc. Esse conhecimento é bom para nosso processo de expansão, assim como o bom governo citado por Davi é como os raios de sol que dão crescimento às plantas. Além disso, é positivo para a formação dos abeuenses, que terão a oportunidade de lidar na ABUB com espaços deliberativos coletivos, cenários nem sempre comuns em nossa sociedade.

Conscientes da importância deste documento para nossa boa governança, queremos convidá-los a orar sobre este processo.

Ore conosco:

  • Para que os grupos locais filiados à ABUB, a diretoria nacional e as diretorias regionais possam responder ao processo de consulta com cuidado, analisando os documentos enviados em espírito de oração e com sabedoria que vem do alto.
  • Pelos participantes do Grupo de Trabalho, para que Deus os use, guie e preencha de sabedoria. Que eles sejam instrumentos nas mãos do Pai para cumprir sua vontade na área da governança da missão.
  • Para que o processo de consulta e a Assembleia Geral, extraordinária e ordinária, sejam momentos de conhecimento da nossa missão por parte dos participantes e de formação em suas vidas. Que aprendam sobre o bom cuidado para aquilo que Deus coloca nas nossas mãos.
  • Para que os participantes do Grupo de Trabalho e os delegados da Assembleia Geral possam construir consenso num processo pacífico e positivo. Muitos estão sendo chamados a participar, e é necessário um bom diálogo e colaboração entre estes muitos atores para que possamos construir consenso.
  • Que os representantes dos grupos locais se comprometam a estar presentes, para que tenhamos quórum para a instalação da Assembleia. Que o Senhor lhes dê condições financeiras, criatividade para mobilizarem recursos para estarem presente. Para que Deus nos dê paciência e amabilidade nos diálogos, e nos ajude a compreender que nem sempre consenso é uniformidade de ideias, que possamos abrir mão de alguns posicionamentos para que o Estatuto final seja o mais representativo possível e formado de acordo com a vontade do nosso Senhor.
  • Para que Deus nos capacite a governar nossa missão com justiça e temor a Deus, de forma a produzirmos claridade, crescimento e frutos.