Corrupção: vítima ou cúmplice?