Notícias

O que foi o CFera para você?

Um pouquinho de quem experimentou o Curso de Férias de 2017 da região Centro-Oeste em Catalão (GO)

"Pra mim, o Curso de Férias (CF) foi a redescoberta do significado e da importância que o evangelho e a cosmovisão cristã têm na minha vida e na sociedade. Os questionamentos que eu pude ter durante a leitura de Eclesiastes, sobre o sentido da vida, foram muito relevantes pra mudar a minha visão acerca do valor das riquezas, dos prazeres e até mesmo da sabedoria, na vida de qualquer pessoa. Concluí que todos nós buscamos um sentido pra existência, um direcionamento no qual possamos caminhar, e percebi que muitos dos caminhos oferecidos na nossa sociedade são vazios, como dito pelo autor: "Tudo é vaidade". Como se Deus tivesse esvaziado o mundo de um sentido pleno, no qual podemos encontrar somente no nosso relacionamento com ele. Além dessas reflexões, algo que me impressionou bastante no CF foram os relacionamentos. Lá eu encontrei um ambiente favorável pra que existisse tempo de ouvir e tempo de falar, encontrando respeito e receptividade com minhas opiniões e ideias. Algo que também me tocou bastante foi o amor expresso nos relacionamentos, do tipo que se constrói com sinceridade e carinho. Sinto falta disso na minha igreja local, e percebi que é possível mudar essa realidade à luz da Palavra e por meio de esforço mútuo. Esse respeito nas relações tornou o local propício para discutirmos vários assuntos polêmicos e complexos que existem dentro do meio universitário, e me enriqueceu muito poder participar desses momentos. A ABU é um "lugar" para o qual eu espero sempre voltar, enquanto me for permitido, até o momento em que novas fases da vida venham, e Deus me chame para outros propósitos e experiências debaixo do sol."

Isabella Ristov

 

 

"O CF foi muito importante para mim, me ensinou a dedicar um tempo exclusivo para Deus e a como tudo tem um porque, tudo passa. Achei lindo como irmãos de denominações se unem e se tornam uma família. Foi um tempo para poder respirar fundo e voltar para a dificuldade do dia-a-dia com forças renovadas."

 

Rafaela Rodrigues


 

"Não sei nem por onde começar... kkk. Foi maravilhoso em todos os aspectos. Conheci pessoas de cidades diferentes, que vivem realidades diferentes, mas que mesmo assim me ensinaram muitas coisas importantes, que vou levar pro resto da vida. Aprendi muito sobre a Bíblia e sobre a importância do nosso testemunho em todos os lugares. Me diverti muito também, cantei até cansar e ainda pisei no pé de uns na hora do forró... kkk. Foi simplesmente perfeito! ❤"

Alanis

 

"Sabe, escrever sobre o CFera (Curso de Férias e Encontro Regional de ABS, a Aliança Bíblica de Secundaristas) é uma coisa que me deixou muito feliz. Pois assim posso relembrar dos momentos maravilhosos que eu vivi com essa galera (ABU e ABS). Todos demonstraram muito carinho e dedicação para com a Palavra e me trataram como uma irmã em Cristo. Desde o primeiro dia eu me senti em casa. As palestras e as oficinas nos aproximam mais uns dos outros e fizeram com que cada um tivesse a liberdade de se expressar. 

Além disso foi muito interessante perceber que, com a proporção que se encontrou diversidades, também encontramos a aceitação das diferentes opiniões. As tarefas são bem divididas, e não me lembro de um horário livre que não estivéssemos todos rindo muito e cantando juntos. A comunhão entre irmãos é algo muito forte na ABUB, pelo pouco que eu pude ver. O ERA foi uma experiência única, já que descobrimos que tem tempo para tudo: tempo para rir, tempo para se molhar, tempo para se exercitar, tempo para se enojar e assim por diante cada obstáculo foi uma lição que eu quero levar para a vida inteira.

Outra coisa que gostaria de ressaltar é sobre as oficinas foram muito construtivas. Nossos diálogos são muito produtivos, relevantes e saudáveis. Eu espero que as amizades sejam cultivadas ao longo dos anos e que este movimento ganhe força nas escolas e universidades a fim de que muitos outros jovens e adolescentes possam ser alcançados pela Palavra e pelo amor de Cristo, demonstrado pelo nosso grupo. A experiência de participar do CFera foi simplesmente singular e maravilhosa. A melhor coisa foi a ceia em que todos pudemos celebrar o perdão de nossos pecados, por meio do sacrifício de Jesus Cristo e lembrar que não existe amor maior que o dele. Dessa forma desejo que outras pessoas tenham a oportunidade que eu tive de conhecer essas pessoas maravilhosas e estudar sobre os diversos livros da Bíblia com a ABUB. E cada momento é especial e voltado para glorificar o nome do Senhor.

Uma coisa da qual eu não posso deixar de falar é o sarau: foi uma noite muito boa. Foi ótimo ver todos cantando e mostrando o que sabiam fazer de melhor. O mais interessante para mim foi ver o apoio que todos recebiam ao se apresentar. Mais uma vez a amizade se faz presente no meio dos estudantes ABU e ABS. Ademais, outra coisa que eu não poderia deixar de pontuar é que nós fomos muito bem alimentados do café da manhã até o jantar foi tudo muito gostoso. O amor de Cristo é verdadeiramente transmitido de estudante a estudante. Dessa forma desejo que outras pessoas tenham a oportunidade que eu tive de conhecer essas pessoas maravilhosas e estudar sobre os diversos livros da Bíblia com a ABUB. E cada momento é especial e voltado para glorificar o nome do Senhor.

Em todo tempo ama o amigo; e na angústia nasce o irmão. - Provérbios 17.17"

 Jullia Cardoso Fernandes

Apoio: Monize Roberta Zanin. Graduanda em Letras pela UFG (7º período)

 

"Meus sinceros cumprimentos,

Trago comigo uma bagagem abarrotada de dúvidas e questionamentos. Também não sou um bom escritor e reconheço que a maioria dos leitores tem melhores esclarecimentos e conhecimentos sobre as questões apresentadas a seguir. Sendo assim, o ato de escrever depoimentos torna-se uma tarefa complicada e texto pode não apresentar uma sequência muito lógica. Começaremos pelo primeiro acontecimento que me vem à memória: “No princípio, criou Deus os céus e a terra. ” (Gênesis 1. 1). Ops, espera aí! Não precisamos ir tão longe assim...

A convite de um amigo, comecei a frequentar a ABU em Catalão por volta de 2014. Estudantes anunciavam a Palavra que consideravam como a Verdade em suas vidas (João 8. 32), de modo a alcançar outros estudantes. Embora nunca tenha sido muito participativo no que diz respeito a expressar minha opinião durante os encontros (Efésios 4. 29), sempre gostei de ouvir as discussões e conhecer mais sobre a mensagem que afirmavam. O Estudo Bíblico Indutivo (EBI) proporcionava reflexões e aplicações para as mais diversas áreas do conhecimento. 

Em 2017, os abeuenses locais informaram que um Curso de Férias (CF) seria realizado aqui. Senti uma imensa vontade em participar, entretanto não poderia permanecer lá durante os sete dias da semana ou vinte e quatro horas por dia. Lembrei-me da viúva pobre que ofertara tudo quanto possuía (Marcos 12. 41-44). Por que eu não poderia ofertar meu tempo para aprender sobre Ele? As leituras iniciais já eram instigantes. John Stott dizia que a fé consistia em pensar e controlar seus próprios pensamentos e tornava-se racional por fundamentar-se no conhecimento da natureza e do caráter de Deus. As ideias soavam contrárias quando comparadas à ideia de que o cristão deve “crer somente”. Quão forte seria uma fé que pensa, analisa e discute?

Estudamos o livro de Eclesiastes. Discutia-se sobre vaidades, sabedoria e Deus. Haveria um tempo e um propósito para que eu estivesse ali? O Pregador respondia: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” (Eclesiastes 3. 1). O EBI agora estava aliado à exposições bíblicas, palestras, oficinas, orações, reflexão em silêncio... Quanto tempo dedicamos para a reflexão e análise de um determinado tema em nosso cotidiano? Finalmente encontramos um alento, um conforto. 

Se eu pudesse descrever a experiência do CF de forma sucita, provavelmente resumiria: “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! ” (Salmos 133). Percebe-se que as diversas denominações serviram apenas para identificação durante a etapa de apresentações. Nos momentos que se sucederam à isso, todos estavam unidos por um único propósito, por uma única fé, pelos ensinamentos de Cristo Jesus. A harmonia esteve presente desde a cooperação nas tarefas, passando pelos debates e discussões com fundamentos no caráter da pregação de Paulo (1 Coríntios 2. 4.5) e terminando nas orações uns pelos outros (Tiago 5. 16). Mesmo mediante temas polêmicos, ao final existia o perdão e sabíamos que o debate situava-se no campo das ideias; as próprias divergências de opiniões nos mostraram o quanto o amor é capaz de nos unir (Colossenses 3. 12-17). 

Meu foco não se manteve na análise física do local onde ocorreu o CF porque compreendi onde é o verdadeiro templo do Senhor (1 Coríntios 3. 16, Efésios 2. 19-22). A intenção é mostrar que independentemente do lugar e da estrutura física, permanecem a alegria, a esperança, a curiosidade em descobrir o que há de vir, a sede pelo conhecimento, a declamação do nome e poder de Deus, a maturidade espiritual e a comunhão. É incrível como os atributos e qualidades apresentados puderam ser observados principalmente nas novas gerações, representadas no CF pelos estudantes secundaristas. 

Deus utiliza-se dos seus instrumentos de maneira eficiente e eficaz, mesmo que (ainda!) não entendamos. Se o futuro está oculto ao homem e este não sabe se é amor ou ódio que o espera (Eclesiastes 9. 1), que as diversas situações possam nos proporcionar conhecimento. Uma vez que Deus há de nos julgar pelo conhecimento e por nossa resposta (ou ausência dela) à sua revelação (John Stott; Eclesiastes 12. 14), que a maturidade espiritual alcançada através do conhecimento de Cristo possa dissipar a névoa que hoje nos impede de ver claramente o que Deus prepara àqueles que o amam (1 Coríntios2. 9). Que possamos crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor (2 Pedro 3. 18), para que sejamos imitadores de Deus (Efésios 5. 1-2).

Nas saudações finais, gostaria de expressar o sentimento de gratidão ao primeiro convite para conhecer a ABU, aos amigos que continuaram transmitindo a mensagem, aos companheiros que me convidaram para participar do CF. Agradecimentos especiais aos membros da ABU Catalão por todas as discussões, conversas após os EBIs, diálogos em redes sociais e carinho demonstrado por vocês. Isso só reforça que até aqui nos ajudou o Senhor (1 Samuel 7. 12). Os laços em Cristo realmente se demonstram mais fortes que as vaidades do mundo.

“Melhor é o fim das coisas do que o seu princípio [...]” (Eclesiastes 7.8)"

Anônimo – ABU Catalão

Nenhum Comentário

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
O teste abaixo serve para verificar se você é um ser humano e para prevenir submissões automáticas de spam.