Recursos

Campanha de Oração NE: O compromisso de Deus com a justiça e liberdade em um contexto de injustiça racial e escravidão

A história do Brasil está manchada pela escravidão de pessoas negras, a diáspora africana é a base onde nossa sociedade foi construída, a opressão escravocrata constituiu nossa estrutura que é racista. A escravidão começou no Brasil em 1550 e teoricamente terminou em 1888, isso significa que desde de quando a diáspora começou até hoje são 470 anos, e desses, 338 foram de regime escravocrata legalizado. Em 1888, com a lei Áurea, houve uma pseudoliberdade, um suposto fim da escravidão. Legalmente não era mais permitido, mas as pessoas negras ex-escravas foram deixadas à própria sorte, ou tiveram que continuar em situação de escravidão por não terem nenhum suporte governamental ou lugar para onde ir. Não foi planejado nenhuma reforma para integração social e econômica das pessoas negras, então continuaram sem dignidade, sem acesso à educação, saúde e moradia, continuaram sujeitas a trabalhos desumanos e condições de vida precárias. 

São 132 anos desde que legalmente a escravidão teve seu fim, porém nos termos em que esse fim ocorreu não houveram caminhos que possibilitassem uma sociedade justa e com equidade O povo negro escravizado lutou pela sua liberdade legal, lutou quando continuou marginalizado pós Lei Áurea, e nós, seus descendentes, continuamos lutando por dignidade e liberdade plena. Atualmente no Brasil, o corpo negro ainda é o que mais as balas perdidas encontram, o corpo negro é o que mais trabalha em serviços com pouca remuneração, é o que mais morre nas filas dos hospitais, é a cor que menos tem acesso a essencialidades para a existência digna do ser humano. Nós negros temos dificuldades em oportunidades, acessos e permanências, não porque não somos capazes, mas porque o racismo estrutural e institucional nos limita. A escravidão nos oferece frutos amargos ainda hoje no Brasil, frutos envolvidos pelo mito da igualdade racial.

Diante desse cenário de injustiça racial entranhado na sociedade, trago aqui alguns pontos de reflexões sobre o racismo, o caráter de Deus e o que ele espera de suas filhas e filhos:

Deus é comprometido com a liberdade

Ele é comprometido com a justiça e é contra toda escravidão e violação de corpos. Na bíblia vemos várias passagens que falam sobre esse comprometimento e como o plano divino de salvação passa indiscutivelmente pela liberdade:

“Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres.” João 8:36 (NVI)

“Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” Gálatas 5:1 (NVI)

“Ora, o Senhor é o Espírito e, onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade.” 2Corítios 3:17 (NVI)

O Senhor tem prazer em nos fazer livres de toda escravidão, a liberdade é segundo o coração de Deus. Não podemos entender a liberdade que Cristo nos oferece como algo somente para o campo da “alma”, o evangelho da salvação abrange o ser humano todo e em toda a sua complexidade. O racismo é uma opressão que atravessa as pessoas também em todas as suas complexidades, ele aprisiona corpos, famílias, emocionais, financeiros, relacionamentos, aprisiona o modo como as pessoas se enxergam, enxergam ao próximo e como enxergam a Deus. O evangelho verdadeiro liberta o ser humano todo e de toda a escravidão. Cristo ressurreto nos liberta do racismo, não de uma maneira mística/espiritualizada, mas de uma maneira real e tangível. No verdadeiro evangelho há liberdade que transborda para o oprimido e para o opressor que se arrepender.

Deus é comprometido com justiça ao oprimido

“A religião que Deus, o nosso Pai aceita como pura e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo.” Tiago 1:27 (NVI)

No contexto dessa passagem bíblica, o órfão e a viúva eram as pessoas que estavam em situação de maior vulnerabilidade na sociedade, eram as minorias da época e região. O Senhor é comprometido com os marginalizados socialmente e nos chama a “verdadeira religião” do compromisso com quem sofre. No nosso contexto brasileiro as pessoas negras em vulnerabilidade social são parte das minorias, o Senhor nos chama a verdadeira religião de lutar contra o racismo que mantêm o povo negro nessas circunstancias desiguais.   

Deus é o criador da diversidade

Somos criatura do Deus criador, Ele não é “apenas” O mais criativo, Deus criou a criatividade e por isso somos tão diversos e únicos em nossas características físicas. Cada tom e subtom de pele, cada formato de olhos, nariz, e os diversos tipos de cabelo, Deus criou.  O pecado do racismo distorce essa verdade e assim as pessoas desumanizam umas às outras. O racismo desumaniza e inferioriza as pessoas de diversas maneiras crueis, o pecado do racismo inferioriza pessoas por suas características físicas.

“Depois disso olhei, e diante de mim estava uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, de pé, diante do trono e do Cordeiro” Apocalipse 7:9 (NVI)

Nesse texto de apocalipse é nítido Deus Criador fez o plano de Salvação para todos os povos da Terra, o racismo é pecado contra o Deus da diversidade.

Deus nos leva ao arrependimento

Diante do pecado de racismo o Senhor nos chama ao arrependimento. O verdadeiro arrependimento produz frutos de justiça, esses frutos são: mudança de mentalidade; mudança de coração e mudança de curso de vida. Que nos envergonhemos e lamentemos pelo racismo alojado em nossos corações, pelo racismo enraizado em toda sociedade brasileira, e que o arrependimento genuíno nos mude e produza frutos de justiça e liberdade.

O senhor é essencialmente justo, comprometido com a liberdade e com as minorias, Deus criou a diversidade e fez o plano de salvação a todos os povos, raças, línguas e nações, portanto Deus é antirracista e nos chama para viver o Evangelho de amor que luta por justiça racial. O Senhor nos chama ao arrependimento genuíno, e a combater a escravidão que nos oprime e oprime nossas irmãs e irmãos no mundo inteiro. A injustiça pode parecer muito grande, mas o Senhor coloca nas nossas mãos uma funda e cinco pedrinhas, e em nossos corações a promessa de que estará conosco sempre e até o fim dos tempos. A injustiça pode nos cansar, mas o Senhor coloca do nosso lado irmãs e irmãos de luta e de fé, quando um cair o outro estará ao lado para levantar, e Ele renova nossas forças.  

Motivos de oração:

 

  • Ore por justiça racial no Brasil e no mundo;
  • Ore pelas pessoas negras que vivem em vulnerabilidade nesse momento de pandemia, pessoas que moram em lugares que impossibilitam o isolamento social ou/e que não tem acesso a saneamento;
  • Ore pelas pessoas negras que não foram dispensadas de seus trabalhos, e que trabalham em situações de risco alto de contágio;
  • Ore pelas crianças e jovens que estão impossibilitados de ter educação formal a distância por falta de material escolar, aparelhos eletrônicos, acesso a internet e um lugar apropriado para o estudo em suas casas;
  • Pessoas negras são as que mais têm morrido por covid19 no nosso país, ore por essa situação e pelas famílias que perderam seus familiares;
  • Ore para que a igreja brasileira se arrependa do pecado de racismo;
  • Ore por arrependimento pessoal em relação ao racismo;
  • Ore pelas pessoas que lutam contra o racismo;
  • Ore pelo governo do Brasil, para que haja justiça e empenho em prol da justiça racial no nosso país. 
  • Ore e aja.