Recursos

Reflexões abepenses em meio a pandemia

“dos filhos de Issacar, conhecedores da época, para saberem o que Israel devia fazer, duzentos chefes e todos os seus irmãos sob suas ordens;” 1 Crônicas 12:32 (ARA)

Como abepenses, abeuenses ou abesenses somos chamados a refletir e pensar em meio à pandemia do Covid-19 que, infelizmente, tem trazido grandes dores e sofrimentos para a nossa nação, nesse momento, com mais de 100.000,00 (cem mil) vítimas fatais. 

No primeiro encontro Nacional de Capacitação (ENCA/2003, em Curitiba) que participei, ouvi uma frase de um dos palestrantes que exortava: “vocês devem ter a Bíblia em uma mão e o jornal na outra”. Bem, nunca mais me esqueci daquelas palavras.

Lendo a Bíblia encontramos o texto acima mencionado (1 Crônicas 12:32), em que aponta, em um determinado tempo histórico, dentre o exército de Israel havia chefes que tinham uma característica especial, eram conhecedores da sua época, da ciência, do seu tempo, com o desiderato de orientar Israel quanto ao que deveria fazer. Ainda, muitos outros exemplos bíblicos podem ser encontrados sobre a necessidade de conhecer o seu tempo, a ciência ou a tecnologia disponível: assim foi com Moisés, criado entre os príncipes egípcios, com toda a sabedoria da sua época, o mesmo com José, também no Egito, que administrou com inteligência e sabedoria, como primeiro ministro de Faraó, ou mesmo com Daniel, Hananias, Misael e Azarias (jovens cultos e inteligentes – Daniel 1:4/ARA) entre os babilônicos. Todos esses exemplos, bíblicos, mostram que a ciência serve de direção “...para saberem o que Israel devia fazer...”.

Causa extrema estranheza a negação da ciência que encontramos, hodiernamente, no seio evangélico – parece que se nega a importância da necessidade da correta leitura dos nossos dias, que são realizados pelos “conhecedores da época”. 

Enquanto abepenses, no grupo local, em Salvador, procuramos trazer ao debate alguns temas que pudessem unir a ciência – o conhecimento da época – e a sabedoria bíblica.  Assim, priorizamos organizar lives e discussões que tratassem de: “saúde mental na quarentena” – convidamos o abepense e psicológo Jefferson Nunes de Recife; “atividade física e o cuidado com o corpo em meio a quarentena” – convidamos Sílvia Azevedo, professora de Educação física e dança da Paraíba;  “sermão do monte e quarentena” - convidamos o Pastor Carlos Queiroz - Teólogo; “resistindo o mal em tempos turbulentos -  Dietrich Bonhhoffer”, convidamos o Dr. Eleazar de Castro Ribeiro; “retomada? os impactos econômicos pós-pandemia”, com Júlio de Freitas Santos – Economista e Sociólogo e Ualace Roberto de Jesus Oliveira – Mestre em Economia;

Começamos uma nova série de lives e encontros sobre “o profissional a serviço do Reino – vivendo a esperança que há em Cristo”, iniciamos ouvindo Felippe Schmitt – obreiro da região Nordeste e Engenheiro Civil. Pretendemos aprofundar, ainda, na mesma temática, com outros convidados e, em seguida, no mês de novembro, enfocar o debate racial.

Somos, portanto, Igreja e missão do tempo presente, não desatrelados da realidade e do contexto que nos cerca. São, nesse sentido, inúmeros os desafios e questionamentos que recebemos e nós fazemos enquanto cristãos e abepenses do tempo presente. 

Lembro-me de uma das reflexões feita por Miranda (Ex-Presidente da ABUB), enquanto palestrante no Encontro Regional da ABP, ocorrido, em Salvador, dizia ele: “Deus tem uma resposta”. Dentre os inúmeros questionamentos e embates do tempo presente, Deus tem uma resposta. Que saibamos conhecer a nossa época, a ciência, os debates acadêmicos e cotidianos, tendo a bíblia numa mão e o “jornal” – os dados dos nossos dias – em outra. 

Creio que assim seremos relevantes.

Lucas Andrade Pereira de Oliveira

 Presidente da ABP Salvador em 2020.